Em guarda contra o perigo vermelho

Em guarda contra o perigo vermelho: o anticomunismo no Brasil (1917-1964)
Autor: Rodrigo Patto Sá Motta
Páginas: 334
Formato: 16 x 23 cm
Peso: 0,527 kg
ISBN: 978-85-228-1345-2
Eduff
Edição: 2ª
Ano: 2020
Idioma: Português
Preço: R$ 48,00

Em guarda contra o perigo vermelho: o anticomunismo no Brasil (1917-1964)

 

As duas mais duradouras experiências autoritárias brasileiras foram construídas – e justificadas – a partir de discursos anticomunistas. Neste livro são descritas em detalhe as lideranças, as organizações e as ideias dos movimentos políticos que, unidos para lutar contra o "perigo vermelho", deram origem aos golpes de 1937 e 1964 (e respectivas ditaduras).

Publicado originalmente em 2002, e desde então referência para o estudo da história contemporânea do Brasil, a obra mostra-se plena de atualidade, em vista do cenário político brasileiro. Por isso, a edição traz um posfácio analisando o contexto da recente mobilização da direita radical, em que o leitor encontrará elementos para compreender os dilemas atuais.

--> Entrevista com o autor: Rodrigo Sá Motta fala sobre nova edição de "Em guarda contra o perigo vermelho"

O atual retorno do anticomunismo ao cenário político evidencia o acerto da hipótese desenvolvida no livro. "Em guarda contra o perigo vermelho" ajuda a entender como um candidato de origem militar que prometeu acabar com os "vermelhos" ganhou as eleições presidenciais de 2018, com estratégia discursiva que representa a reapropriação da tradição anticomunista instituída no século XX.

Estudo seminal sobre os valores, crenças, medos e ações de grupos brasileiros que ao longo do século XX lutaram contra o "perigo vermelho", contribui para a compreensão do impacto dos movimentos de direita no Brasil, que, com o uso de linguagem anticomunista para justificar os golpes autoritários de 1937 e 1964, inauguraram as mais marcantes e duradouras ditaduras brasileiras.

O autor destrincha os movimentos políticos, os líderes e as organizações que se juntaram para combater o comunismo, bem como as ideias e imagens utilizadas para divulgar seus argumentos, inclusive aquelas inspiradas em fontes internacionais.

O objetivo é compreender e explicar movimentos políticos que contribuíram para construção da longeva máquina policial-repressiva do Estado brasileiro, que durante décadas se utilizou de representações anticomunistas para justificar o cerceamento da liberdade.

A hipótese central é que tais representações se enraizaram na sociedade brasileira a partir dos anos 1930, graças a entidades estatais e privadas empenhadas em construir e a disseminar imagens aterrorizadoras sobre o perigo vermelho. Tais esforços das lideranças direitistas propiciaram a constituição de arraigado imaginário anticomunista, disponível para ser mobilizado em momentos críticos e campanhas de deslegitimação das esquerdas.

O trabalho é baseado em ampla e diversificada documentação como registros policiais, arquivos de líderes políticos, jornais da grande imprensa, periódicos de grupos militantes, livros e brochuras produzidos por ativistas, monumentos, caricaturas e fotografias.

Sobre o autor

Rodrigo Patto Sá Motta é professor titular do Departamento de História da Universidade Federal de Minas Gerais e pesquisador 1 do CNPq. Especialista em História do Brasil contemporâneo, produziu trabalhos de referência sobre partidos, cultura política, ditaduras, polícia política, movimentos de direita, entre outros temas. Atuou como professor e pesquisador visitante em várias universidades estrangeiras e foi presidente da Associação Nacional de História.

--> Sumário

--> Capa em alta resolução


 






Eduff - Editora da Universidade Federal Fluminense
Rua Miguel de Frias, 9, anexo, sobreloja, Icaraí, Niterói, RJ - 24220-900
Telefone: (21) 2629-5585 (secretaria)
E-mails:
livrariavirtual@eduff.uff.br (compras no site)
faleconosco.eduff@id.uff.br