A pastora e a alegoria
A pastora e a alegoria: a invenção da pastorela alegórica no Trovadorismo e nos Carmina Burana
Coleção Estante Medieval, v. 12
Autor: Henrique Marques Samyn
Páginas: 302
Formato: 16 x 23 cm
Peso: 0,475 kg
ISBN: 978-85-228-1352-0
Eduff e Xunta de Galícia
Edição: 1ª
Ano: 2020
Idioma: Português
Preço: R$ 38,00

A pastora e a alegoria: a invenção da pastorela alegórica no Trovadorismo e nos Carmina Burana

 

"A pastora e a alegoria", de Henrique Samyn, é a mais nova adição à série Estante Medieval. O autor apresenta a origem e as características da pastorela alegórica, analisa o contexto histórico de sua criação e investiga sua influência.

A composição mais antiga documentada como pastorela é obra do escritor occitânico Marcabru, composta no século XII, entre 1139 e 1149, período de sua atividade literária.

Esse tipo de poesia é caracterizado não pelas estruturas formais, mas pela temática do encontro, em um ambiente campestre, entre uma pastora e um homem que tenta seduzi-la. Os desfechos da história podem ser favoráveis à pastora ou ao sedutor e podem conter uma mensagem moral ao fim ou apenas serem marcadas pelo erotismo. Difundiu-se na Europa do século XIII.

Tomando Marcabru como criador do modelo, que assume uma função nitidamente alegórica (a defesa da virtude contra o vício), Samyn percorre em seguida as várias figurações posteriores, analisando as restantes pastorelas provençais (alegóricas ou pseudoalegóricas), as francesas (tendencialmente eróticas, quando não obscenas) e as médio-latinas dos goliardos (neste último caso detendo-se num inquérito sobre a tradição judaico-cristã, com paragens na figura bíblica de Raquel ou na figura de Santa Margarida).

A análise detalhada das pastorelas galego-portuguesas termina o trabalho. Considerada habitualmente um subgênero da cantiga de amigo, a pastorela galego-portuguesa não tinha ainda sido objeto do estudo aprofundado.

Pelo caminho, o leitor encontrará ainda um conjunto variado de questões: o espaço do feminino e do masculino, a questão do assédio e mesmo do estupro, o lugar da literatura como reforço ou crítica dos valores dominantes de uma época.

A série Estante Medieval pretende tornar acessíveis aos estudiosos da Idade Média as fontes primárias medievais e outros estudos relevantes sobre o medievo.

--> Confira outros livros da série Estante Medieval.

Sobre o autor

Henrique Marques Samyn é professor adjunto e pesquisador do Instituto de Letras da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj), em que desenvolve pesquisas sobre gênero e raça na literatura. Coordena o projeto de extensão Letras Pretas, voltado ao estudo e divulgação da produção literária, cultural e intelectual de autoria negra e feminina, desenvolvido com estudantes cotistas da Uerj. Recebeu em 2014 o Prêmio Docência Dedicada ao Ensino Anísio Teixeira, sendo eleito pelos alunos do Centro de Educação e Humanidades da Uerj, por votação direta, o professor que mais contribuiu para a sua formação acadêmica.

--> Sumário e apresentação

--> Capa em alta resolução


 






Eduff - Editora da Universidade Federal Fluminense
Rua Miguel de Frias, 9, anexo, sobreloja, Icaraí, Niterói, RJ - 24220-900
Telefone: (21) 2629-5585 (secretaria)
E-mails:
livrariavirtual@eduff.uff.br (compras no site)
faleconosco.eduff@id.uff.br